Camisa da Beija Flor 2019 - Enredo Carnaval 2019 - ShopdoCarnaval

Clique para ampliar

Compartilhar:

Camisa da Beija Flor 2019 - Enredo Carnaval 2019

R$ 49,00

Camisa de Enredo da Beija Flor 2019

TAMANHOS
P 51cm largura x 63 altura
M 54cm largura x 66 altura
G 57cm largura x 71 altura
GG 61cm largura x 74 altura
XG 64cm largura x 79 altura


PERGUNTAS FREQUÊNTES:

Qual é o valor do Frete?
O frete tem valor único R$10,00 para todo o Brasil. Comprando 1 camisa ou 10 camisas, o frete tem valor único R$10,00.

Qual prazo de Entrega?
Rio de Janeiro de 4 a 5 dias úteis
Demais Estados: 5 a 9 dias úteis

De que Forma o Produto é Enviado?
A entrega é via correios por encomenda registrada. É necessário ter alguém no endereço para recebimento do produto

Qual Tamanho Vou Escolher?
Recomendamos comprar a camisa de acordo com seu gosto de utilização.
Exemplo: Se você gosta de uma camisa mais justa, peça exatamente do tamanho que você veste.
Se você gosta de uma camisa mais folgada, poderá pedir 1 tamanho acima.

É confiável Comprar?
Veja o depoimento de que já comprou - CLIQUE AQUI


Confira a Sinopse da Beija Flor 2019

No dia de Natal, à luz do Criador Deus Menino, sete décadas atrás, nasceu faceiro Beija-Flor, criado com muito amor; dádiva de quem já estreou abençoado na manjedoura nilopolitana, esmeralda reluzente riscando o céu no infinito.

Conduzindo essa viagem fascinante, voando de flor em flor nos Jardins da Folia, disseminou o pólen da informação e o grão do entretenimento, semeando Cultura Popular; bailando e rodopiando pelos ares, até na floração do Carnaval nova flor ver desabrochar.

Fez da História milenar alimento, cruzou céus e mares, igarapés e mananciais. Promoveu o encontro entre tambores e tribos, lendas e mitos; e viu despontar costumes, peculiaridades e tradições. Escreveu páginas de ouro da poesia brasileira ao revisitar nossas raízes, e nos fez mais felizes ao cantar a exuberante beleza das riquezas áureas do Brasil de Norte à Sul, em tons de branco e azul.

Viajou pelo mundo místico dos Caruanas nas águas do Patu-Anu, pelo paraíso hospitaleiro de onde se avista o sol primeiro, da Terra Santa – verde paraíso do povo da floresta e seu canto de fé pela missão de preservar, embebido de força, mistério e magia – para as terras dos Pampas, onde sete povos, na fé e na dor, ergueram sete missões de amor, em meio à liberdade dos campos e aldeias.

Viu brilhar o seu valor a iluminar o estado de amor de uma Comunidade que impõe respeito, e cheia de orgulho, bate no peito. Retirou o chapéu de bamba para anunciar Brasília, a capital da esperança, inspirada na arte e nos traços do mestre da arquitetura; e declamou ainda, o poema encantado da terra do bumba-meu-boi, da encantaria e das palmeiras onde canta o sabiá.

Resgatou as nossas origens e a nossa herança africana, legado dos nossos ancestrais. Testemunhou a criação do mundo na tradição Nagô e às Pretas-Velhas… quanto amor! Cantando em louvor à grande constelação das estrelas negras e todo o seu esplendor.

Ao abordar a importância da negritude, rompeu fronteiras e conheceu o berço de diferentes civilizações. Do Egito à liberdade, esclareceu que negros escravos viveram em grande aflição, foram o braço forte da nação; saga de quem vai seguindo o seu destino…

Enfim reencontrou as Áfricas de lutas e de glórias – do baobá da vida de Ilê Ifé à irmandade do conto do griô, negro na raça, no sangue e na cor.

Narrador-personagem a desvendar mistérios trajados de fantasias, consagrou-se ave Soberana, desfilando a exaltar a Corte de reis e rainhas no cortejo dos plebeus, composto por mestiços, índios, negros e europeus.

Homenagens que passeiam pela exaltação à José de Alencar, ao bom Natal – saudado pela Majestade, o Samba; pela coroação da Dama das Bromélias Margareth Mee, que fez a festa na Sapucaí, e pelo canto de cristal da diva internacional Bidu Sayão, que sacudiu a Passarela.

Comoveu ao botar pra fora a felicidade de reverenciar a simplicidade, momentos lindos que fizeram do Samba, oração. Sonhou o sonho do sonhador ao viajar nos feitos do astro iluminado da televisão, e na genialidade do Marquês que batizou a Avenida, palco das mais esplêndidas atrações.

Audacioso pássaro pequenino se fez gigante, ao propor reflexão social, ao soltar o grito de liberdade, o clamor por igualdade. A utopia de um Brasil livre da ganância nociva que há por baixo dos panos, ninho de famintas serpentes, onde ratos e urubus, trepados no cangote do povo, fingem não entender que todo mundo nasceu nu, e que saco vazio não pára em pé. Santuário de ambição que vitimiza brava gente sofrida, cansada de ganhar tão pouco, que vive no sufoco e precisa desabafar: seus filhos já não aguentam mais! Monstro é quem não sabe amar!

Foi o nosso DNA precursor e revolucionário, de quem tem sede de vitória, que permitiu que chegássemos até aqui, conquistando 14 estrelas, revelando o sorriso alegre do sambista, e sendo aclamada o festival de prata em plena pista.

A possibilidade de fazer uma releitura de desfiles memoráveis, alguns considerados mesmo antológicos, é um afago para a nossa gente humilde, que defende o nosso manto sagrado, na alegria ou na dor. Enamorada do nosso país, Nilópolis é nossa raiz!

Hoje, a nossa declaração de respeito, reverência e devoção ao Pavilhão virou fabuloso enredo sobre nossa septuagenária Agremiação; hino a ser defendido e entoado pelo canto inebriante de uma Comunidade fascinante. Quem Não Viu, Vai Ver, as Fábulas do Beija-Flor!

Que o ímpeto de voar seja o nosso segredo para acreditar, que o palpite, é certo!

Nenhuma avaliação para este produto. Seja o primeiro a avaliar!
Pague com
Facebook
Newsletter

Assine nossa mala direta e receba muitas ofertas por e-mail.

Loja segura
Siteseal